Para não assumir criança, homem joga amante grávida de ponte sobre o Rio São Francisco




Um crime chocante aconteceu entre os municípios de Carinhanha e Malhada, oeste sudoeste da Bahia, já na madrugada dessa quarta-feira dia (29) de abril. Um montealtense pegou a sua amante que está grávida e trouxe até a ponte Guimarães Rosa jogando-a rio a baixo, acredita-se na intenção de matá-la por conta da não aceitação do surgimento do filho.


Em horário sem muito movimento de pessoas, o homem identificado por Vanrley Silva Teixeira, morador do bairro Barrinha em Palmas de Monte Alto chamou Cleidiane dos Santos Ribeiro de 20 anos, também moradora do mesmo bairro, e depois de vir até a entrada da cidade de Carinhanha, passar pela barreira sanitária e voltar, o mesmo a jogou dentro do rio São Francisco.


Conforme a Polícia Militar informou ao Alerta Bahia, guardas municipais ouviram gritos de socorro e avistaram a jovem enganchada sobre o rio e acionaram a guarnição militar, foi então que os policiais, soldado-Macedo, Cabo-Cotrim e Cabo-Gardel providenciaram o rápido resgate da moça, que por sorte ficou presa em algumas plantas e não morreu afogada.


Para a polícia e para o pescador Samuel, o qual resgatou a vítima com um barco, Cleidiane contou que Vanrley a chamou, foram até a entrada de Carinhanha e voltou, ao chegar em cima da ponte ele parou e disse que era para “mijar”, daí atirou a mesma lá de cima.

Uma equipe do SAMU foi acionada e levou a jovem até o hospital municipal Maria Pereira Costa [Carinhanha] onde ela passou por atendimentos e logo depois já estava bem fisicamente.


A família denunciou o autor para a polícia que foi localizado e preso minutos depois da ação, já na cidade de Palmas de Monte Alto, e foi apresentado na delegacia de Guanambi.

Vanrley nega que jogou a amante dentro do rio.



Fonte:
Alerta Bahia

Postar um comentário

1 Comentários

  1. Covarde. Na hora de fazer o filho, quis. Agora assume. Não é homem? Não honra a calça que veste seu ignorante. Pensou em se livrar e só escancarou para milhões de pessoas.

    ResponderExcluir