‘Falta compaixão’, Diz Malafaia sobre mensagem de Eduardo Bolsonaro contra Lula

 
O pastor Silas Malafaia criticou a postagem do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL),
sobre a liberação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que pudesse acompanhar o velório do neto, na manhã do último sábado (2).

Em sua página no Twitter, Malafaia, que na campanha presidencial do ano passado caminhou ao lado da família Bolsonaro, pediu “compaixão” para o parlamentar.

“O filho do presidente Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro, perdeu uma ótima oportunidade de ficar de boca fechada na questão que envolve o funeral do neto de Lula. O sábio Salomão já dizia que até o tolo quando se cala, se passa por sábio. A FALTA COMPAIXÃO!”, postou Malafaia na rede social.

 



 Malafaia publicou ainda uma mensagem para Lula: “MEUS SENTIMENTOS. Sou avô e entendo a dor de Lula. Deus console o coração dessa família. Só insensíveis para falarem asneira em uma hora dessa. Sou 100% contra Lula, mas nesse momento de dor profunda, não cabe conjecturas políticas. Essa é uma hora de compaixão, não de cobranças.”

Líder da igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, o religioso, de 60 anos, conhece Jair Bolsonaro há mais de 10 anos e fez campanha pela eleição dele à Presidência.

 A opinião - postada por Eduardo Bolsonaro antes de a Justiça ter autorizado a liberação temporária de Lula - gerou duras críticas, inclusive de partidários do filho do presidente, que foi chamado, entre outras coisas, de insensível e acusado de explorar politicamente o episódio.



Na manhã deste sábado, o deputado federal tentou relativizar sua crítica, complementando o twitter do dia anterior com uma postagem ponderando ser "lamentável e indesejável" a morte do menino.

 "Perguntado se Lula deveria sair da cadeia respondi que não - até por uma questão de isonomia com os demais presos. Agora, sobre a morte da criança, é óbvio que é um fato lamentável e indesejável. Isso independe de ideologia. Não misturem as coisas", pediu o político,















Fonte: Uol

Postar um comentário

0 Comentários