Grupo protesta contra Bolsonaro na embaixada brasileira na Nova Zelândia


Um grupo neozelandês de ativistas de esquerda entrou na embaixada brasileira em Wellington, capital da Nova Zelândia, nesta quinta-feira (3), para protestar contra o novo presidente, Jair Bolsonaro.

O grupo, chamado Organise Aotearoa e que se autointitula como um movimento socialista, carregou faixas com os dizeres "Sem relações com nações fascistas" e "Solidariedade com o povo do Brasil", além de levar à embaixada uma imagem da vereadora carioca Marielle Franco, assassinada em março do ano passado.


Eles também pediram a expulsão do embaixador brasileiro na Nova Zelândia, o retorno do embaixador neozelandês em Brasília e o rompimento de relações entre os países, afirmando que o governo da Nova Zelândia "ficou em silêncio quando Bolsonaro foi eleito".

Em um vídeo divulgado pelo grupo, os ativistas aparecem fazendo um manifesto na embaixada contra o que eles chamam de "governo fascista" de Bolsonaro, citando uma medida do novo presidente que afeta a demarcação de terras indígenas, agora sob responsabilidade do Ministério da Agricultura.

"Estamos mostrando solidariedade ao povo brasileiro, a nossos camaradas brasileiros, à população LGBTQ, aos indígenas, aos trabalhadores do Brasil. É para isso que estamos aqui hoje", diz um membro da organização em inglês.

As imagens mostram que um funcionário da embaixada intercede e diz que o grupo não pode se manifestar ali. O grupo neozelandês mantém a gravação por alguns minutos e entoa gritos contra o novo governo brasileiro.




Por: Uol

Postar um comentário

0 Comentários